Sim, nós descobrimos que queríamos mesmo ter um bebê. Podia ser meio cedo, mas quando a gente se descobriu com a mais remota possibilidade de eu estar grávida, o que antes poderia ser assustador virou algo que queríamos muito. Daquela vez não foi gravidez, mas um anticoncepcional maluco que eu estava tomando, e que bagunçou bonito os meus hormônios.

Depois disso, eu parei de tomar a pilula, estava tomando o ácido fólico e o resto vcs podem imaginar :D

O 1º mês foi tranquilo, na verdade neste mês eu ainda não sabia que estava grávida. Quando atrasou, fomos atrás daqueles testes de farmácia. Meu nervosismo era tanto que eu consegui não seguir exatamente as instruções do primeiro teste e o resultado ficou todo duvidoso. Depois disso, ainda fiz mais 2 testes, de tira-teima! A notícia era tão boa que eu na verdade custava a acreditar. Fui crer mesmo quando vi o primeiro ultrassom, o pequeno feijãozinho, quando ouvimos o coraçãozinho pela primeira vez.

O início dá um medão danado. Medo que algo aconteça, que algo saida errado. Na verdade, acho que um medinho acompanha a gravidez toda, já que sempre há riscos, porém os 3 primeiros meses são os mais delicados, nesse sentido.

Por causa disso, resolvemos segurar a notícia um pouco. Avisamos família e os chefes, e deixamos para dar a notícia para o restante da galera quando as coisas estivessem mais tranquilas. Hoje a própria barriga já dá a notícia, nem preciso mais contar as novidades :) .